25 de dez de 2011

último post do ano: minhas resoluções para 2012

Então, conforme o prometido – e antes tarde do que nunca – vim aqui contar as minhas resoluções para o próximo ano. E, como diz o título, esse é o último post do ano. Amanhã, às 4 da madrugada, parto com destino à Garopaba, para uma semana incrivelmente deliciosa na companhia de bons amigos e litros de champanhe.

2012 vai ser um ano bacana – e um ano, digamos, desafiador. Isso porque estou prestes a terminar minha faculdade. Ou seja, estou prestes a começar – e terminar! – o meu TCC. Sei de gente que enlouquece com ele, ao passo que outras pessoas ficam bem tranquilinhas. Como é do meu feitio estar sempre à beira de um ataque de nervos, tenho certeza de que vou incomodar muita gente com minhas neuras desenfreadas. Então, vamos às resoluções:

- em 2012 eu vou tentar não enlouquecer as pessoas com minhas neuroses desenfreadas com relação ao TCC;

- eu vou reservar um tempo para famílias, amigos, namorado e leitores do blog – e não vou deixar o TCC tomar conta dos meus dias e noites;

- eu vou tentar reclamar menos das pessoas e dos ônibus e nas manias alheias;

- eu vou tentar me irritar menos com gente mimada ou simplesmente chata;

- eu vou falar o que eu acho sempre que achar necessário;

- eu vou tentar ser mais econômica. Sério, eu preciso! Chega de ir na farmácia para comprar shampoo e sair de lá com um gasto de 85 reais;

- eu vou dizer mais SIM para as oportunidades e convites que aparecerem

- eu vou dizer mais NÃO pra todas as coisinhas que eu acabo fazendo só para deixar os outros felizes;

- eu vou dar uma segunda chance para sushi e tapioca, já que aparentemente as primeiras experiências não foram nada satisfatórias;

- eu vou comer menos pizza e, dessa maneira, alcançar os tão sonhados 58 quilos;

- eu vou ter novidades aqui no blog e TENTAR postar muito, muito mais do que em 2011. Vocês merecem!

Vai rolar um momento piegas agora, espero que não se importem.

Gente, foi muito bom postar aqui para vocês esse ano. Foi ótimo ver comentários, mensagens no Facebook e e-mails queridos de todos vocês. Foi ótimo ter gente para acompanhar todos os meus dramas pessoais que na verdade são tão pequenininhos. Foi ótimo poder simplesmente contar o que deu na telha – e ter a certeza de ter um monte de gente bacana lendo e curtindo. Vocês são demais – vocês são meu motivo para estar aqui, num domingão de noite, postando. ;)

Então é isso, gurizada. Um beijo bem grande em cada um de vocês. E que venha o tal do 2012!

P.S.: para acompanhar minhas aventuras no litoral, me segue no Twitter! Vou postar do meu celular e tal. Beijo!

estou fazendo as malas


Eu tava ali fazendo minhas malas e resolvi vir aqui postar. Ah, sim, antes de tudo, Feliz Natal, gurizada. Hoje é dia 25 de dezembro – e o cheiro de comida deliciosa já está tomando a casa inteira. Como foi a véspera de vocês? A minha foi bacana. Família reunida, mesa de guloseimas, presentes (ganhei um pijama! Eu tava precisando DEMÓOOIS de um pijama!) risadas, música, alegria. Natal é uma delícia, né?


Enfim. Eu tava ali fazendo minha mala e percebi que, definitivamente, fazer a mala é um dos momentos mais, sei lá, ESTRESSANTES que existem. Porque eu vou acampar, então tenho que pensar que boa parte do espaço do carro vai ser tomado por barracas, colchões e isopores. Então a mala com roupas e cosméticos e afins deve ser o mais reduzida possível. E daí acontecem coisas do tipo:

- A saia cinza! Quero levar a saia cinza!

- Mas ela amassa demais, Nicole. Tu não vai passar roupa lá.

- Ah é. Mas tenho certeza que eu vou querer usar a saia cinza quando eu estiver lá. VIDA INJUSTA.

Então eu não vou poder levar a saia cinza, e muito menos o vestido preto de bolinhas brancas. Daí fui reunindo um monte de roupas que não amassam, e que são meio básicas e monocromáticas – afinal, as roupas devem combinar entre si, né. Na real, eu queria levar só regatas, shortinhos e biquínis, mas, aparentemente, a previsão do tempo para semana que vem não é das mais animadoras. Então ainda vou ter que incluir calças, casacos e meias no conjunto. E repelente. E protetor solar. E toalhas. E lanterna. E essa brincadeira toda aí vai ter que entrar na minha malinha vermelha.

Não tem como conseguir uma daquelas bolsinhas que nem a Hermione tem, onde cabe Deus e o mundo?

SOFRO.

E eu já volto com o post das resoluções pra 2012. Até mais!

21 de dez de 2011

2011 foi um ano massa

Essa vibe de final de ano me irrita e me deixa feliz ao mesmo tempo. Tipo, eu adoro essa coisa de lembrar de tudo de bom que passou, fazer promessas pros dias que estão vindo, pensar com carinho nas pessoas e comprar presentes pra elas, reunir a família para comer coisas deliciosas. Nem com o “Então é Natal...” eu me incomodo - vou confessar pra vocês que eu até tenho essa música no meu computador e escutei pra fazer cada um dos 28743 textos natalinos que eu escrevi nos últimos tempos. Mas eu me irrito com o movimento doido de pessoas nas lojas e nas ruas, com a falta de paciência das pessoas, com toda a confusão que fica por aí. E tenho um medo tremendo desses Papais Noeis mascarados que tem por aí. Mas enfim, não é disso que eu vim falar.

Hoje é dia de lembrar de 2011. Como ele foi pra vocês? Pra mim, 2011 foi um ano massa - apesar de eu ter torcido o pé, ter ficado mal por causa da amigdalite e ter queimado um braço só na praia.

Logo no começo do ano eu já recebi um presente enorme: fiz amigas incríveis, que fizeram parte da grande parte das aventuras e indiadas que vieram a acontecer depois. Gurias, vocês são lindas e eu amo vocês!

Em 2011 eu bebi cerveja com energético. Saí em sexta, sábado e domingo. Fiz duas tatuagens. Alisei – mais uma vez – o cabelo. Defini o tema do meu trabalho de conclusão e consegui uma orientadora maravilhosa pra ele. Descobri que qualquer ~misto-quente~(aqui no sul é TORRADA, poxa!!!) fica mais delicioso com requeijão dentro.

Acampei, afundei o pé na lama, comi churrasco como café da manhã. Aprendi a jogar Uno. Fiquei bronzeada sem tomar banho de sol. Entrei de penetra em uma festa gospel. Fui no drive thru do McDonalds andando. Assisti muitos filmes, li vários livros – alguns deles em inglês. Joguei muitas horas de The Sims. Comi sushi e tapioca pela primeira vez – e, logo de cara, não gostei de nenhum dos dois. Sofri por causa de pés na bunda, comecei a namorar. Dei tchau pruma amiga que foi trabalhar na Disney e só volta ano que vem.

Aprendi a mexer no Fireworks e a editar vídeos. Tentei, mais uma vez, aprender a tocar violão. Doei meus brinquedos antigos para crianças carentes. Enchi minha mesa da agência de dinossauros em miniatura. Enchi uma parede com recortes de revista. Comecei a tomar café sem açúcar. Tive um cachorro por 15 minutos. Fui na Feira do Livro de Porto Alegre e vi a Martha Medeiros. Criei uma página pro meu blog no Facebook.

Descobri que eu não tenho paciência pra mimimi e pra gente chata (nem pra gente mimada, nem pra gente que escuta funk no ônibus, nem pra... Ok, seguindo.). Comecei a aceitar que eu sou assim do jeito que eu sou - e a não ter medo de dar a aminha opinião sempre. E, no final das contas, me descobri muito, mas MUITO feliz. =D

Pode ser que o ano não tenha sido exatamente muito diferente dos anos que tem passado, mas isso não importa. Acho que é a totalidade dessas coisinhas assim, pequenas, que deixam os 365 dias muito mais interessantes. É aí que tá toda a graça.

Enfim. E que venha o post com as resoluções de Ano Novo. E que venha 2012! :D

20 de dez de 2011

provavelmente o antepenúltimo post do ano

Oi gente! Como eu estou de férias da faculdade, pensei que poderia encher meu blog com diversos posts e novidades e tal – afinal de contas, tem acontecido MUITAS coisas nesses últimos dias. Mas anda tudo uma correria infernal. Final de ano é sempre a mesma coisa, né? O cara acha que vai ficar bem de boa mas acaba correndo mais do que correu o ano inteiro. E daí tô eu me matando e tal pra adiantar tudo na agência e curtir com tranquilidade minhas férias. Sim, queridos e queridas, vou sair de férias! Ok, é uma semana só, mas ainda assim são férias.

Vou passar essa semana linda em Garopaba, praia de Santa Catarina. Tenho certeza de que vai ser muito legal, mas não sou de criar muitas expectativas. Seria péssimo me imaginar no solzinho da beira da praia, vendo gente bonita, comendo violinha e bebendo champanhe, chegar lá e, sei lá, me deparar com uma semana de chuva e um monte de gente feia – e de sunga branca.

Então eu vou fazer minhas malinhas e ir pra lá de coração aberto, ver como a galera vai se organizar na cozinha, com as barracas, se vai ter champanhe o suficiente, se o camping tem tantos banheiros como diz no site, etc etc etc. E depois, óbvio, vou contar tudo pra vocês. Mas isso vai ser sóooooo no ano que vem. Quero ver se consigo passar um tempinho longe de computadores, internet e afins. Mas é possível que eu dê umas twittadas da praia, e dê uma trabalhadinha bem de leve. Cada um com seu vício.

O que me entristece é que vou ficar uma semana longe do meu The Sims. E não é qualquer The Sims, galera. Ganhei de Natal o The Sims de bichinhos de estimação! Isso vai merecer um post exclusivo. Me cobrem isso em 2012, meu e-mail é nicolesdias@hotmail.com.

Enfim. Esse post aqui foi meio que só pra dizer pra vocês que eu tô viva, que eu tô bem, que eu AINDA tô tomando café sem açúcar e que eu vou preparar (ou tentar preparar) mais dois posts pra essa semana: um com uma retrospectiva e outro com resoluções para o ano que vem. Então... nos ‘falaremos’ em breve, não é? É! Até mais!

14 de dez de 2011

pessoas que andam devagar quando saem da escada rolante

Fazia tempo que não rolava aqui no Blogando um post cheio de reclamações e coisas que me incomodam. Esse aqui tá cheio. Vem comigo!

Quem me conhece sabe que eu sou uma pessoa meio... inquieta. Comigo não tem sossego. Não existe essa de ficar o domingo todo deitado no sofá vendo a vida passar. Eu sempre vou inventar alguma pessoa para visitar, ou alguma gaveta para esvaziar e depois tornar a colocar as coisas no lugar. Ou vou andar várias quadras até uma padaria só pra comprar 3 folhadinhos de salsicha com gergelim por cima, ou vou organizar fotos, etc etc etc.

Fico meio irritada com gente que fica se amolando com as coisas, e mais de cara ainda quando alguém diz que vai fazer uma coisa e não faz LOGO. A pessoa diz que vai tomar banho mais fica vendo coisas do 9gag. A pessoa diz que vai buscar um café mais fica vendo coisas no 9gag. A pessoa diz que vai responder seu e-mail mas fica vendo coisas no 9gag.

Também me incomodo com pessoas que andam devagar. Pessoas que andam devagar e bloqueiam a calçada e me obrigam a andar um pouco pela rua para poder ultrapassá-las. Isso me deixa puta. Mas o que me incomoda mais ainda são as pessoas que andam devagar quando saem da escada rolante.

Como o próprio nome diz, a escada ROLANTE é um negócio que está em movimento. Ela está levando você em alguma direção (para cima ou para baixo) e não vai parar. Daí o cara tosco vai lá, chega na ponta da escada e ao invés de dar um passo grande e sair andando pela vida afora, dá uma freiada e sai bem devagarinho andando. E isso me obriga a

a) Andar devagar atrás da pessoa

b) Ser obrigada a dar uma ~paradinha~ até a pessoa sair da sua estúpida inércia

Seja a ou b, fico irritada. Porque na escada rolante não é como na rua, que eu posso simplesmente andar em ziguezague pelas pessoas, ultrapassando elas como se a vida fosse uma eterna partida de Gran Turismo. Na escada rolante é preciso esperar. E, se der azar, ainda esbarrar nas pessoas, encostando nas costas dela – ou sendo encostada pelas pessoas que estão atrás. Argh!

E quando você acha que não tem nada pior, surgem aquelas pessoas que têm MEDO da escada rolante. E, claro, elas estão na sua frente para subir na escada, e deixam passar vários degraus até ter coragem de enfrentar. Como se um degrau fosse diferente do outro. Como se subindo no degrau “certo” você ganhasse, sei lá, um Golden ticket. E, obviamente, são lerdas na hora de descer – vai que a escada SUGA eles lá pras profundezes misteriosas? Ok, eu ficaria bem feliz se isso acontecesse. Pronto, falei.

6 de dez de 2011

agora eu tomo café sem açúcar


Esses dias eu resolvi, do nada, que iria parar de tomar café com açúcar. Foi semelhante ao dia em que eu estava na academia e resolvi que ia comprar um notebook – mesmo sem ter todo o dinheiro necessário para fazer o negócio à vista, como era a minha ideia.

Aliás, nunca contei a história do notebook aqui. Tive que pedir dinheiro emprestado pro meu irmão, até. Mas consegui negociar bem, levei um desconto, e ainda ganhei um mouse, um mousepad e uma dessas bolsas de colocar o note dentro. Daí instalamos tudo o que eu queria e o The Sims e etc. E eu fiquei pobre, e tive que ligar para o amigo com quem ia sair aquele dia e dizer “não posso ir ao cinema contigo hoje porque eu comprei um notebook e tô pobre e nunca mais vou sair de casa, adeus.”. Enfim, café.

A decisão de passar a tomar café sem açúcar não teve nenhum tipo de embasamento. Não é que eu li alguma reportagem falando mal disso, ou me dei conta de que açúcar faz mal pra saúde ou qualquer coisa assim. Na realidade, pensando agora, eu simplesmente achei que seria melhor servir o café na minha caneca e não ter que fazer mais nada além disso.

Porque, como vocês sabem, tem todo um processo de colocar açúcar (ou adoçante)no café, né. Colocar o café, o açúcar, mexer, ver se tá bom. Tem gente que coloca o açúcar primeiro. Acho que todo mundo faz assim, aliás – menos eu. E nem sempre é fácil, gente. Ainda mais o açucareiro aqui da agência, que é meio incontrolável. Às vezes o café ficava um melado, às vezes ficava super amargo – e isso envolvia ter que levantar e ir ajustar o café conforme o meu gosto e tudo o mais. Era muita mão.

Daí agora basta chegar na térmica, servir o café e tomar.

Sim, no primeiro dia foi terrível. Era uma careta imensa a cada GOLE de café. Minha produtividade aquele dia não foi das melhores, já que a cada gole de café eu franzia o rosto inteiro. Impossível permanecer concentrada dessa maneira.

Sim, o segundo dia também foi horrível. O terceiro também. Mas muita gente veio me apoiar e dizer que era assim mesmo, que eu ia conseguir. Então eu continuei todo dia, insistindo, fazendo cara feia, aquela coisa. Até que essa semana eu me dei conta de que não tinha mais cara feia. De que tomar café sem açúcar acabou se tornando uma coisa meio normal. SOU ROOTS! SOU FODA! E nessa brincadeira aí, acabei perdendo um quilo – sem nem me dar conta. RÁ!

Daí nessas horas eu penso que deve ser realmente complicado ser fumante e decidir parar de fumar. Porque eu tenho a impressão que no momento que eu tomar novamente um café com açúcar, todo o meu esforço terá sido em vão.

O próximo item que eu quero cortar da lista é o Nescau. Mas cara, é muito difícil. :(

E vocês, como é que gostam de tomar café? :o)