26 de jan de 2008

Das coisas que o dinheiro compra

Dinheiro traz muitas coisas. Com ele podemos ter sapatos bonitos, edredons cor de rosa, chocolates, internet, gasolina (enfim, você entendeu). Dinheiro traz conforto, segurança, paga estudos, planos de saúde. Porém, existem coisas que o dinheiro não compra (e para todas as outras existe er, hã, fecha parênteses) - e essas sim são coisas de valor. Amigos, por exemplo, não se compra. Saúde, amor - dinheiro nenhum consegue isso. Porém, o dito cujo (dinheiro, né :P) ajuda a proporcionar pequenos momentos felizes. Um sorvete com as amigas num final de tarde, um livro com uma história linda, um novo corte de cabelo que te deixa maravilhosa. Não importa o quanto você tem, e sim o valor que dá e como você usa. (Use com sabedoria!).

(Para revista Capricho - Dinheiro traz felicidade?)



Diálogo familiar
Eu, chegando em casa: - Vou fazer mais uma tatuagem!
Mãe: - Não, não vai.
Eu: - Claro que vou. Tenho duas, é par.
Pai: - É verdade, tatuagem tem que ser em número ímpar.
Eu: - Viu? Vou fazer.
Mãe: - Não, chega de tatuagem.
Eu: - Mãe, eu sou de maior, posso chegar em casa com um dragão alado nas costas se eu quiser. Só estou avisando porque eu tenho consideração com vocês.
Pai: - aheihaiehioaehoae
Mãe: - ¬¬
Família ê, família a, família!

18 de jan de 2008

Asteriscos inaugurais

Como era de costume no meu blog antigo (para vê-lo, clica aqui), quando me falta um assunto muito filosófico, complexo e com bases racionais (ahã) eu apelo para meus asteriscos aleatórios. Para quem não sabe, meus asteriscos aleatórios consistem em, hã, asteriscos, e em cada um deles eu abordo um assunto diferente. Mas não se confunda! Quando eu postar algo chamado 'Pastilhas aleatórias', não será a mesma coisa que os asteriscos - na verdade, o método é o mesmo. O diferencial é que o assunto aleatório abordado vem precedido de um risco ou tracinho - e não um asterisco. HAHAHA, como eu perco tempo escrevendo besteiras. :~~ Vamos para alguns asteriscos inaugurais, pois.

* Pelamoorrrdedeusedosantocoraçãodemaria, não comprem Sucrilhos sabor banana split. Foi dada a dica.
* Por que será que cores de esmalte tem nomes tão... peculiares? Concha do mar, algodão doce, deixa beijar, obsessão, via láctea... Como são criativos esses inventores de nomes para cores, não?
* Parabéns pra minha mãe, que está de aniversário amanhã. :DDDDDD
* Fim.

15 de jan de 2008

Sobre o Big Brother Brasil

Eu não mandaria vídeo nenhum para participar de qualquer edição do Big Brother. E, mesmo se eu resolvesse mandar, não seria selecionada: nunca fui modelo, nem posei nua, nem tenho silicone. E meu QI é maior do que de uma ameba. Em suma, eu não teria chance.

Acho uma maluquice e uma perda de tempo enorme querer participar de um programa onde ninguém pode trocar de roupa, arrotar, depilar as axilas ou espremer espinhas sem lembrar que todos, do pedreiro de obras a professora de matemática, estão assistindo, vidrados, cada momento.

Sem falar que os colegas de casa são todos bronzeados, siliconados, com sorriso colgate, quase manequins de loja com o cabelo mais brilhante. E, por incrível que pareça [cinismo mode on], a maioria dos 'manequins' quer seguir carreira de modelo-cantor-atriz-bailarina-whatever.

Levando tudo isso em conta, resta um pouquinho de lado bom nessa história. As únicas vantagens do BBB são as festas bacanérrimas que eles ganham (com direito a roupa e comidinhas à caráter) e poder abraçar, beijar, descabelar e pular no colo de Pedro Bial (ou Pedro Miaaaau) mesmo sendo o primeiro mané a ser eliminado.

Vamos dar uma espiadinha?

9 de jan de 2008

Da beleza de não assistir TV aberta, a exceção e a desvantagem

Peguei nojinho da programação da tv aberta. Não sei bem qual foi o motivo, se foi dar de cara com a Xuxa vestindo um macacão-quase-feito-de-plástico-prata no horário do meio dia, ou foi ver modelóides apresentando telejornais, ou ver que Fantasia voltou ao ar (se bem que Fantasia eu quero assistir e, não, essa não é a exceção citada no título). Whatever, o caso é que resolvi não assistir mais programas da tv aberta. Posso me dar bem com o dr. House e as receitas da Nigella muito bem, obrigado.
Falando assim, até parece que fico horas no sofá, o que não é verdade. (E aqui vem a exceção). Ligo a tv de manhã cedo, antes de trabalhar, e assisto (aqui está ela) Bom Dia Brasil, porque a Mirian Leitão é uma das poucas que me faz entender a política do Brasil. E de noite assisto pelas 7 horas uns 15 minutos de alguma coisa que estiver passando (geralmente é "ou eu ou meu cachorro" e "truques de oliver"), pois sempre arranjo outra coisa pra fazer nesse tempo. Às vezes, às 20h assisto meu queridíssimo House. E só. Pra quê mais que isso?
Bom, a desvantagem de não assistir a tv aberta é não saber o que anda acontecendo, digamos, na programação. Não, eu não acompanho novelas, mas... A desvantagem maior aconteceu ontem. Ai, caramba, perdi o "1° capítulo" de Big Brother! ¬¬¹²³¹²³

8 de jan de 2008

Estoy aqui!

Ai meu Deus, só pode ser perseguição. Resolvo postar depois de um bom tempo de 'relapsidão' no meu blog, o primeiro post do ano, e a droga da Uol (aguardem um post tremendamente ofensivo à Uol) resolve aprontar comigo. Mas calma, calma, não priemos cânica, já diria o Chaves. Ano novo, blog novo, e pronto. Meus posts antigos vocês podem ler no http://www.blogdanicole.zip.net/. Agora a questão é começar do zero. O endereço do blog mudou, já que aqui no blogger já existe um 'blogdanicole'. Me deu uma tristeza ter que mudar... Mas achei 'blogandocomnicole' muito mais participativo, hahaha. Quase como um programa de rádio ou sei lá.
Espero que alguém muito craque me dê dicas para layouts e sistema de comentários e thoisas assim.
E que muitos posts bons apareçam nessas novas Entrelinhas.

E eu volto, hein?