23 de set de 2013

invocação do mal: o meu primeiro filme de terror


Se tem uma coisa que me deixa empolgada é ir ao cinema. Adoro todo o processo do comprar ingressos e pipoca, a expectativa de que comece logo, as luzes apagando e o barulho de refrigerantes abrindo por toda a sala... Ok, talvez sem a parte do barulho dos refrigerantes. Se eu começar a falar de coisas que me deixam irritada no cinema, esse post perderia totalmente o foco inicial dele - e ficaria enorme, já que eu sou a pessoa mais chata do universo. Vamos focar na parte de “eu amo ir ao cinema”, ok? 

Fazia tempo que eu não ia, porque a programação das cidades mais próximas estava cheia de filmes adolescentes, dublados ou nacionais – e eu prefiro ficar em casa jogando The Sims do que ter que optar por qualquer um desses. E então lançaram, em uma sexta-feira 13, um filme chamado Invocação do Mal. 

O boy Um amigo meu logo mostrou interesse em ver e eu, que nunca tinha assistido um filme de terror no cinema, decidi encarar a missão. 


 - Dois ingressos para Invocação do Mal, por favor. 

Peguei com as mãos tremendo. Comprei pipocas enormes e um copo de Coca-cola maior ainda - em caso de terror supremo eu me distrairia com a comida, oras! Nos sentamos em um lugar bem central, já que o amigo não queria perder uma parte sequer. Ele, na verdade, parecia estar com uma estranha satisfação em me ver apavorada – visto que ele é fã de filmes do gênero e já tinha assistido muitas produções aterrorizantes na telona. 

As luzes apagaram, os trailers começaram e eu já tirei um casaco de dentro da bolsa – trazido com a clássica desculpa “é muito frio dentro do cinema”, sendo que obviamente o meu objetivo era me esconder atrás dele. 

Enquanto isso, o amigo me explicava táticas para não levar sustos. Prestar atenção na música, tentar ignorar ela, entoar mantras mentais dizendo “eu sei que vai dar merda, não vou me assustar”. Só digo que ao longo do filme essas coisas não deram muito certo – nem pra mim e nem pra ele. 

Não vou falar muito sobre o filme, até porque 1) eu recomendo que vocês olhem 2) esse não é um blog com resenhas ou sinopses de cinema. Enfim, trata-se de uma história baseada em fatos reais, de um casal que nos anos 70 exorcizava, espantava bruxas, falava com espíritos, investigada casas mal assombradas e etc etc.

Me deixei envolver pela história, mas quando eu via que ia ficar com medo ou que algo meio sinistro ia acontecer, eu escondia minha cara atrás do casaco. O amigo tentava fazer com que eu olhasse, mas eu evitava. Olhava para ele, para a pipoca, para os sinais luminosos da saída de emergência.

Eu outros momentos acontecia o contrário. Eu sabia que ia acontecer alguma coisa, mas estava preparada e continuava assistindo. Nisso, o amigo tentava tapar meus olhos com as mãos, sussurrando um “não olha, vai ser feio”. Mas eu queria ver, então rolava uma mini-luta entre a gente nessas horas.  

Confesso que em algumas horas eu até esquecia que o filme era de terror, e me pegava com pensamentos de como as casas dos anos 70 eram diferentes, como as pessoas ficavam desesperadas em situações de emergência – sem celular nem nada -, e, claro, como a Vera Farmiga é elegante. Usaria cada um daqueles penteados elaborados. É, misturo pavor com ideias de  beleza. Sou dessas. 


Gosto de olhar as outras pessoas pelo cinema, e nos filmes de terror isso é bem bacana. A sala estava repleta de casais e em praticamente todos eles as mulheres estavam encolhidas e agarradas nos braços de seus boys. Cadê a nossa força e independência, mulherada? Haha. 

Então o filme acabou, as luzes acenderam. As pessoas começaram a sair do transe apavorante em que estavam, praticamente coladas nas poltronas. E eu percebi que adorei cada minuto da experiência. O medo e o suspense são coisas que fizeram eu me sentir viva! Mãos suadas, frio na espinha, reviravoltas, adrenalina, tranquilidade e tensão. Um mix de sensações em pouco menos de duas horas! 

Sou a mais nova apaixonada por terror que existe – e quando outros entrarem em cartaz, podem me avisar. Ou me pagar ingressos, já que o preço do cinema é outra daquelas coisas que me deixam irritada.

6 comentários:

  1. Nicole, quando li o título, achei que vc tivesse feito um filme de terror... acredita? A primeira foto, na parte de baixo, parece vc. Hehehe. Legal o post! Parabéns. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que lembra mesmo! hauheuahe Sou uma pessoa muito "clonável"!

      Excluir
  2. preciso ver! adoro essa atriz. Ela estava sensacional em Bates motel!!!

    ResponderExcluir
  3. Pensei a mesmíssima coisa do comentário aí de cima hahahahah

    Mas well done, Nicole! Experiências novas são sempre bem vindas. Fiquei com vontade de assistir o filme, sendo que não sou muito fã do gênero. Ao contrário de você, cresci assistindo MUITO Cine Trash da Band, e meio que acho tudo cliché e previsível hahaha Já é a segunda crítica que leio falando bem, então esse deve ser bem punk! Anotarei!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, pode me indicar alguns filmes legais? Tô doida pra conhecer mais coisas do mundo do terror. Bjs

      Excluir

Adoro comentários! Vamos conversar?