1 de mai de 2012

nadismo



Se num desses sábados aí eu fui para Porto Alegre aprender a fazer pão, num domingo eu fui pra capital dos gaúchos aprender a fazer... nada! Vem cá... você já ouviu falar em nadismo?

Esse vídeo aqui vai explicar:


Quem deu o curso foi o Marcelo Bohrer, o próprio fundador desse movimento. Primeiro ele falou sobre como as pessoas hoje em dia estão aceleradas, que querem fazer mais coisas num espaço menor de tempo, que se tem tempo livre ficam nervosas, se fazem algo que não é produtivo se sentem culpadas, etc etc. Nem preciso dizer que me identifiquei com cada um dos casos que ele citou. A senhorita Duracel aqui, se pudesse, tiraria fora da rotina essa coisa de “dormir” - ficar deitado tanto tempo ao invés de estar produzindo, que desperdício!

 Escutar que viver contra o tempo pode me trazer um milhão de problemas foi como um tapa na cara. E olha que eu já sabia de tudo isso.

Então, de repente, o Marcelo disse: bora praticar?

E então fomos para um parque, deitamos em colchonetes e tivemos a missão de ficar 40 minutos deitados, fazendo NADA. Sem dormir, sem ficar lendo, sem jogar Angry Birds. Parece fácil pra você? Pra mim foi uma das coisas mais complicadas dos últimos tempos. 

Deitei ali, mas minha cabeça trabalhava mais do que nunca. Fiquei planejando como ia embora dali, se ia passar no shopping e comer alguma coisa. Pensei na fome que eu estava e em todas as opções de coisas que eu poderia comer. Pensei na semana longa que estava vindo, e comecei a montar uma agenda das atividades da faculdade na minha cabeça. Pensei no TCC. E, num momento de desespero, saquei o celular para verificar quanto tempo já havia passado. Fui repreendida pelo meu namorado, que estava deitado no colchonete ao lado do meu.   

A cabeça começou a me metralhar de coisas de novo. E comecei a ficar incomodada com o colchonete, com minha roupa, com as formigas, com a grama que encostava em mim. Não permaneci numa mesma posição por mais de, sei lá, 3 minutos. 

Então, quando eu já pensava que não ia conseguir ficar mais um minuto sequer deitada, percebi que o tempo tinha passado. Sim, senhoras e senhores. 10 minutos de nadismo que demoraram, pra mim, uma tarde inteira pra passar. Então conversamos sobre como havia sido a experiência e tchanãaaan: descobri que o nadismo que eu havia feito estava errado. 

Sério. Fiz NADA da forma errada. Dá pra acreditar? 

E, de mais a mais, desde aquele dia eu posso contar nos dedos da mão as vezes que parei para praticar o nadismo: ZERO. Mas sei lá, a ideia me parece bonita – na teoria. O que vocês acham?

Um comentário:

  1. Imagina se fosse dentro do cubo branco?? Poderia ser ainda pior..rsrs

    ResponderExcluir

Adoro comentários! Vamos conversar?