3 de mai de 2012

deprê



Ela se sentia invisível – e, ao mesmo tempo, carregando nas costas todas as dores, os infortúnios e as responsabilidades que haviam ao seu redor. Por muito tempo, seguiu assim, bravamente - sem tirar aquele sorriso idiota do rosto. Mas chega uma hora em que as coisas cansam – e, acredite, essa hora chega mesmo. A última gota cai e faz com que tudo transborde. 

O mundo não é mais aquela coisa mágica e cheia de descobertas em cada curva que ela antes enxergava. É cinza, é feio, é frio, é doente – e ninguém liga. O grito não saia da garganta, e as lágrimas desciam, salgadas, pelo seu rosto. 

Como lidar? Fugir? Mas pra onde? E alguém se importaria? Uma dose letal de pílulas coloridas, uma travessia propositalmente acidental, uma corda amarrada na garganta. Eram atitudes covardes, ela sabia, mas a simples presença daqueles pensamentos trazia um doce alívio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adoro comentários! Vamos conversar?