19 de ago de 2009

eu, eu mesma e meu eu lírico

Antes de começar o post, devo dizer que fiquei deveras orgulhosa do título dele. Que genialidade! Que trocadilho mais bem feito! Que obra prima! Que... ok, passou o momento devoção. Mas que é bom, é bom, vocês não acham? Tá, já sei, o post.
Muitas pessoas, quando escrevem, tornam-se pessoas totalmente diferentes do que elas são. Afinal, quando você escreve pode ser o que quiser, contar a história da maneira que mais lhe convir, inventar e viajar na maionese. Pode ser que você seja uma garota extrovertida, repleta de amigos e cheia de amor e diversão na sua vida. Mas quando você começa a escrever no seu blog, as frases são chocantes e repletas de rancor e tristeza. Você está presa e na verdade o que você queria era gritar, gritar o mais alto que pode (porque tem gente que adora escrever coisas assim, vocês já notaram?).
Por outro lado, pode ser que você seja a gordinha tímida e sem amigos da escola (nada contra gordinhos, afinal, eu mesma já fui acima do peso e tudo mais), que não conversa com ninguém. Então você chega no seu blog e conta sua vida como se fosse um intenso e agitado seriado, uma mistura doida de Gossip Girl e Friends, com você mesma sendo azarada pelos carinhas bonitos e tendo diálogos hilários com outros colegas populares.
Até mesmo o Luis Fernando Veríssimo, baita gênio, é um cara tímido que quando escreve se solta, fica "sem-vergonha"!
Então vocês me perguntam: "E aí Nicole, onde é que entra o teu título estrondosamente genial nisso tudo?". Eu agradeço o elogio ao meu título e lhes digo: "Senta que lá vem história" ou alguma frase igualmente enigmática, afinal, eu adoro um suspense. E então explico.
Eu, quando escrevo, tenho esse jeitão descontraído, e até meio engraçadinho, pelo que eu vejo nos comentários que vocês escrevem, quando me contam que rolaram de rir lendo meus posts e estão viciados no meu blog, coisa e tal. Escrevo assim. Só que na vida real... Sou uma cigana, escrevo posts com mensagens subliminares e vocês ficam viciados no que cscrevo, como sílfides voando ao redor de luzes fosforescentes e Ah, que sem graça, sou exatamente igual. Ok, talvez eu imagine meu "eu lírico" mais bonito, com o cabelo mais brilhante e olhos mais verdes, mas a personalidade é a mesma. Eu falo muita merd coisa engraçada, e gosto de usar palavras e espressões velhas ou fora do comum. Até minha amiga e melhor câmera de documentários, Mari Cury, perguntou como eu fazia para passar o que eu estava querendo passar e escrever coisas engraçadas. Minha resposta? Eu penso engraçado.
Eu sei que você provavelmente pensou que eu ia dizer que na verdade eu era uma gordinha tímida e sem amigos, mas vocês já viram fotos minhas e eu sou uma baita magricela sem vergonha. Mas pode ser que aquelas fotos sejam um fake qualquer, e eu seja meio psicopata. Fiquem tensos quando lerem esse blog, afinal, nunca se sabe se eu não estarei rastreando vocês. Tá, chega de palhaçada. aeihiaheaoihe :D
_____________________
Meeeeeeeu, de uns tempos pra cá as pessoas deram para me imitar. Sério! O nome do meu blog virou coisa fácil na internet. Meu perfil do Orkut, meu lencinho no pescoço e até minha sombrinha com o cabo vermelho estão me perseguindo, porém em outras pessoas e perfis. Isso me indigna, cara. Cadê a originalidade das pessoas?
Tem gente que acha graça...
Douglas - diz:
*ei
*olha só:
*www.blogandocomdouglas.blogspot.com
Nicole diz:
*te ferra
_____________________
- E a campanha "Rumo aos 50 seguidores" foi um estrondoso sucesso. Agora só faltam mais dois. Mobilização, gurizada! O seguidor número 50 ganha um prêmio! (Basicamente a minha gratidão, o que não deixa de ser um prêmio, não é?).
-Nos vemos em breve. Preciso ir lá arrumar meus livros da mesma maneira que vi em um revista de decoração hoje. Eu mostro o resultado depois. Beijos. ;*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adoro comentários! Vamos conversar?