30 de jun de 2013

digam olá para a frida

Sou louca por cachorros. Acho muito impossível não ser. Eles reúnem as melhores coisas do ser humano. Ficam sinceramente felizes quando as pessoas que eles mais amam aparecem, não são vingativos, não são rancorosos, não tem inveja. Brincam, correm, pulam. São fedidos ou cheirosos, grandes ou pequenos, com manias ou sem, se aceitam de qualquer forma. Mas mesmo assim, são as coisas mais adoráveis do mundo.

Apesar desse amor todo, moro em um apartamento acarpetado e, por esse motivo, não sou dona de um cãozinho. Mas me divertia muito com a Filomena, que quem lê meu blog a mais tempo já deve conhecer.


Me divertia com a Filomena, verbo no passado. Pois agora me divirto com a Filomena E a Frida! Simmmm, mais uma moradora da casa da minha avó! A Frida é uma border colie, raça daqueles cães que cuidam das ovelhas no filme Baby, o porquinho atrapalhado.  Ela é apenas um bebê, mas já cresceu muito em pouco tempo. Promete ser o terror do jardim da vó.






O mais engraçado é que a Filomena está a mais tempo na casa e, por isso, comanda. A Frida segue a pequena por todos os lados, até quando a Filó vai no potinho beber água. Coisa mais rica!

Tentei tirar uma foto com ela nesse final de semana, para atualizar esse acompanhamento do crescimento, mas ela fica enlouquecida lambendo a minha cara, o que torna frustra qualquer tentativa de uma boa imagem. Então, segue a última comparação que eu fiz. Menos de três meses entre uma foto e outra. Que tal? :)




Tenho certeza de que ainda vou contar muitas histórias da dona Frida por aqui. E lá na página do Facebook também, é claro. Curte lá! Beijos e até mais! 

2 comentários:

  1. Ela é linda, coisa mais amada! E como crescem né, cachorros são tudo de bom.

    Bj

    ResponderExcluir
  2. Que lindaaaaa!

    Eu queria muito ter um cachorro, principalmente porque eles tem esse olhar que me deixa boba. Mas o destino me reservou três gatinhos lindos (e mais alguns que estão pra nascer). Fazer o quê, né...

    ResponderExcluir

Adoro comentários! Vamos conversar?