9 de fev de 2011

minha amiga becky bloom

Sabe quando você lê um livro e imediatamente associa alguém que você conhece ao personagem principal? Foi o que aconteceu quando eu li o Delírios de Consumo de Becky Bloom. A personagem enchia seus cartões de créditos de dívidas e ainda assim continuava comprando – compulsivamente. Logo me lembrei da minha amiga Juli. Ok, eu não lembrei não, porque quando eu li esse livro eu não conhecia a Juli ainda. Enfim. Caso eu resolva reler esse livro, por algum motivo, vou lembrar dela. Pronto. Rá!

Mas se vocês conhecessem a Juli, também fariam a relação com a Becky Bloom. Não por ela ser consumista, mas sim por... Tá, é por ela ser consumista sim. Para vocês terem uma ideia, ela tem em casa um banheiro só dela, que é dominado por maquiagens, esmaltes e cosméticos. Ela é uma verdadeira maga quando o assunto é rímel, curvex, delineador em gel e primer facial. Tanto é que ela dá cursinho sobre isso – mas você pode ler mais clicando aqui, eu não vou ficar contando não.

Ela não consegue ir numa lojinha “só para olhar”. Sempre acaba saindo com uma comprinha nova, seja uma pinça com estampa de oncinha, uma base com preço promocional ou um enorme difusor para secador de cabelo. E muitas vezes a Juli acaba levando as pessoas no embalo dela, com uma conversinha de “mas isso é a tua cara” e “acho que tu precisa comprar isso aí, hein”.

Ela já me fez comprar pinceis de maquiagem, batons (“com uma boca que nem a tua, eu não viveria sem batom!”), brincos dourados (“dourado é vida, amiga!”) e shampoo de bebê para tirar maquiagem (e funciona que é uma beleza para máscaras à prova d’água. Fica a dica!). E ela sempre dá a dica de compras e lugares para fazer mais compras. No site tal você encontra paletas lindas de sombra. Na loja tal tem shampoo de tal marca. Numa outra birosquinha tem blusas tomara que caia maravilhosas – e baratinhas!

Mas o mais engraçado é que, assim como Becky Bloom, a Juli tenta dominar a compulsão por compras. Nem sempre é fácil, mas é muito bacana acompanhar o esforço. Hoje, por exemplo, fomos ao shopping depois do almoço – coisa mais ou menos rotineira. A Juli precisava pagar uns carnês e eu fui com ela. “Tenho o dinheiro contado dos carnês e mais 7 reais na carteira. Não vou comprar nada” – ela repetiu, mais ou menos umas 14 vezes, no caminho do shopping. E não é que ela conseguiu? Tudo bem que passamos meio correndo pela C&A e ela nem fez muito contato visual com as vitrines mas, mesmo assim, ela conseguiu!

Daí no caminho de volta para a agência eu fui ouvindo ela cantar "We are the champions" para ela mesma, e ficar se vangloriando do fato de não ter usado nem uma vezinha só o cartão de crédito. Daí começou a chover e começamos a falar da vontade de comer pipoca, pão de queijo, chocolate quente... mas isso fica prum outro post.

Quer ser amiga da Juli? O blog dela é esse aqui.

Um beijo, people!

6 comentários:

  1. HAHAHAHAHAHAHAHAHA

    Vou rir infinitamente. Nem eu saberia me descrever tão bem!
    Adorei!
    hahahahhahahahah

    ResponderExcluir
  2. hahaha, gostei do post!
    Ainda bem que sua amiga está se controlando, né? Eu lembrei bastante da minha mãe com esse filme rs Mas ainda bem ela não está mais assim erm
    "Ela não consegue ir numa lojinha “só para olhar”." > Uma antiga verdade em minha vida! D: rs

    ResponderExcluir
  3. Ai que legal! Ela é tão maga que dá dicas ótimas!
    Adoro o blog de vocês duas!

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Tu esqueceu de ressaltar que os carnês que paguei foram os 2 últimooooos \o/
    Weeeee are the champions, my frieeeend!

    ResponderExcluir
  5. Ainda não li esse livro, mas já li vários comentários legais sobre ele. Amei a descrição que você fez da sua amiga!

    ResponderExcluir
  6. Todo mundo tem uma amiga assim.
    Acompanho o sofrimento da minha amiga, e olha da uma agonia horrorosa.
    haha
    Beijo.

    ResponderExcluir

Adoro comentários! Vamos conversar?